URGENTE! Concurso PC RJ 2021: 400 novas vagas serão imediatas em sete cargos.

Atualizado: Jun 25

Editais de concurso da Polícia Civil-RJ foram aprovados na PGE RJ e já tem previsão para as provas



A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro vai abrir um novo edital de concurso público (Edital Concurso Polícia Civil PC RJ 2021) visando o preenchimento de vagas em diversas carreiras. O novo edital poderá contar com 400 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade (fundamental, médio e superior). O quantitativo foi determinado por meio do Decreto nº 47.585, publicado na segunda-feira, 26, no Diário Oficial do Estado.

O documento publicado libera um total de 2.107 vagas em vários órgãos do Estado. Desse total, são separadas 400 vagas para Polícia Civil.

De acordo com o Decreto nº 47.585 de 2021, a corporação poderá preencher vagas nos seguintes cargos:


• Auxiliar de necropsia;

• Técnico de necropsia;

• Investigador ;

• Inspetor ;

• Perito criminal ;

• Perito legista; e

• Delegado.


REQUISITOS DOS CARGOS :

Todos esses cargos são exatamente dos cargos que foram autorizados pelo Governador em exercício, Cláudio Castro, para o próximo edital de concurso PC-RJ.

Via redes sociais, o secretário de Estado de Polícia Civil, delegado Allan Turnowski, agradeceu a liberação das vagas. “Sem tempo a perder. Obrigado Governador”, disse.

De acordo com o Governador em exercício, Cláudio Castro, os editais da corporação foram aprovados na Procuradoria Geral do Estado (PGE-RJ). As provas estão previstas para serem aplicadas no 2º semestre deste ano.

No último domingo, 25 de abril, em entrevista ao Jornal O Dia, o chefe do Executivo estadual falou sobre a importância de abertura do novo concurso PC-RJ. Além disso, confirmou detalhes dos próximos passos até o lançamento dos editais.

“Os editais dos concursos da Polícia Civil já estão aprovados pela PGE e só falta atribuir o número de vagas total. Teremos prova para delegado, inspetor, investigador, perito legista, perito criminal, técnico de necropsia e auxiliar de necropsia. A prova deve acontecer no segundo semestre”, disse o governador em exercício.

Agora, a Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro vai trabalhar na escolha da banca organizadora. Em novembro de 2020, o setor recebeu documentações de bancas interessadas na organização do processo seletivo. O Departamento-Geral de Administração e Finanças da Polícia Civil (DGAF) confirmou que a corporação fez contato com sete bancas para organizar o certame. Foram elas:

  • Fundação Getulio Vargas (FGV);

  • Cebraspe;

  • Instituto AOCP;

  • Instituto Selecon;

  • Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC);

  • Instituto Brasileiro de Gestão e Pesquisa (IBGP Concursos);

  • Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural Assistencial (Idecan).

Secretário também confirmou concurso

O secretário da corporação, Allan Turnowski, já havia confirmado no fim de outubro que o governador em exercício do Estado, Claudio Castro, autorizou o novo edital com novas vagas em 2021.

“O governador Claudio Castro já me autorizou, com as novas vagas surgidas após a decretação do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), a efetuar novos concursos já a partir do ano que vem”, disse Turnowski em transmissão ao vivo feita pelo jornal O Dia em parceria com a Fecomércio.

De acordo com o secretário da PC-RJ, os documentos do concurso já estão no Governo. “Os processos estão voltando autorizados e a gente vai ter concurso da Polícia Civil em 2021,” disse ele.

Na visão do secretário, a solução não está apenas nos concursos. Os investimentos em tecnologia também devem ser prioritários.

O investimento em tecnologia na Polícia Civil, que ficou parado na última década, é primordial para que a gente aumente a elucidação de crimes. Isso aumenta a produtividade”, afirmou.

De acordo com o secretário, para que Polícia Civil do Rio esteja no caminho certo é preciso do concurso sim, mas junto com tecnologia.

Segundo o subsecretário de Gestão Administrativa, delegado Flávio Britto, será permitido concorrer a mais de um cargo, desde que atenda aos requisitos de cada um. Isso será permitido porque as avaliações serão aplicadas em dias diferentes.

Nós termos uma grande notícia para você, candidato, vai poder fazer todos os concursos, desde que seja habilitado. Vamos garantir que não haverá coincidência de datas das provas de primeira fase. Estude bastante que a Polícia Civil te espera”, esclareceu Britto.

Sobre alguns cargos

Auxiliar de Necropsia: exercer atividades de natureza repetitiva relacionada à remoção, lavagem e asseio de cadáveres, limpeza e conservação de necrotérios, em qualquer órgão da Polícia Civil, compatível com suas atribuições; exercer outras atividades que forem definidas por lei ou outro ato normativo.


Técnico de Necropsia: exercer atividades de natureza repetitiva relativa à execução de trabalhos operacionais-complementares, na área de anátomo-patologia, abrangendo a realização de necropsia e dissecação de cadáveres, sob supervisão direta de Peritos Policiais, bem assim conservação do material técnico, em qualquer órgão da Polícia Civil, compatível com suas atribuições; exercer outras atividades que forem definidas por lei ou outro ato normativo.


Inspetor Policial: exercer atividades, envolvendo supervisão, coordenação, orientação e controle chefias de policiais civis, bem como assistência às autoridades superiores em assuntos técnicos especializados e fiscalização de trabalhos de segurança, investigações e operações policiais; exercer a segurança de autoridades, de bens e de serviços ou de áreas de interesse da segurança interna, bem assim investigações e operações policiais, com vistas à apuração de atos e fatos que caracterizam infrações penais; exercer, quando exigidas a especialidade e habilitação profissionais, atividades de natureza repetitiva, compreendendo a execução qualificada, sob supervisão e orientação superior, dos trabalhos laboratoriais, relativos a determinações, dosagens e análises em geral, com vistas à investigação policial, operar radiografias em vivo e em cadáver, para localização de projéteis de arma de fogo ou outros, bem como técnicas histológicas e hematológicas; zelar, quando incumbido de sua guarda, pelo instrumento técnico e científico dos laboratórios de perícias, encarregando-se de sua preparação para exame em geral, limpeza e conservação; exercer, ainda, quando exigidas, no concurso público, a especialidade e habilitação profissionais, atividades de natureza técnica, envolvendo supervisão, orientação e execução de serviços em oficinas ou unidades policiais relacionadas com a função, bem assim a revisão de trabalho de equipes de funcionários de categoria igual ou inferior, além de outras relativas às áreas de informática e de telecomunicações policiais; dirigir viaturas policiais, quando a situação o exigir, em qualquer órgão da Polícia Civil, compatível com suas funções; exercer, quando ocupante da classe Comissário de Polícia, além da assistência às autoridades superiores em assuntos técnicos especializados e fiscalização de trabalhos de segurança, investigações e operações policiais, segurança de autoridades, bens, serviços e de áreas de interesse da segurança pública, investigações e operações policiais, com vistas à apuração de atos e fatos que caracterizam infrações penais, também, a supervisão, coordenação, orientação e o controle de chefias de equipes de policiais civis hierarquicamente subordinados; exercer outras atividades que forem definidas por lei ou outro ato normativo.

O Delegado de Polícia deverá: – zelar pela segurança do Estado e de sua população; – concorrer para a manutenção da ordem pública; – assegurar a observância da lei; – defender as instituições públicas; – promover a prevenção, a apuração e a repressão das infrações penais; – assegurar o exercício pleno da cidadania e das liberdades individuais; – exercer atividades de nível superior, compreendendo supervisão, planejamento, coordenação e controle, no mais alto nível de hierarquia da Administração Policial do Estado; – exercer atividades de pesquisa, orientação e organização de trabalhos técnicos relacionados com segurança, investigação e operações policiais; – exercer atividades de comando, coordenação e controle de programas, planos, projetos e realizações, assessoramento e auditagem; – exercer atividades de direção e chefia nos vários escalões da estrutura organizacional da Polícia Civil; – exercer atividades de direção de Divisões, Delegacias Especializadas e Policiais, de conformidade com a escala hierárquica, instauração e presidência de todos os procedimentos de Polícia Judiciária; – e outras atividades que forem definidas por lei ou regulamento.


Etapas do concurso

Delegado: Provas objetivas; Provas discursivas; Provas orais; Prova de capacidade física; Exame psicotécnico; Exame médico.

Demais cargos: Provas objetivas; Prova de capacidade física; Exame psicotécnico; Exame médico.


Último concurso de Delegado foi divulgado em 2012

O último concurso de Delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro foi divulgado em 2012, quando contou, a princípio, com 100 vagas. Logo depois, a oferta foi ampliada para 150 vagas. A Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (FUNCAB) organizou o certame.

A Prova Objetiva Preliminar, que integra a Primeira Fase do Concurso, teve caráter eliminatório, compreendendo 100 (cem) questões, distribuídas entre as disciplinas de Direito Penal (20 questões), Direito Processual Penal (20 questões), Direito Administrativo (20 questões), Direito Constitucional (20 questões), Direito Civil (10 questões) e Medicina Legal (10 questões).

Participaram da segunda etapa (prova discursiva específica), todos os candidatos aprovados na Prova Objetiva Preliminar. As provas foram aplicadas, de forma agrupada, em 03 (três) dias diferentes, sendo o primeiro grupo no sábado, o segundo grupo no domingo seguinte e o terceiro grupo no domingo subsequente. A avaliação abordou questões de Direito Penal (04), Direito Processual Penal (04), Direito Administrativo (04), Direito Constitucional (04), Medicina Legal (04) e Direito Civil (04).


Sobre o órgão

A primeira polícia existente no Rio foi a Guarda Escocesa, trazida por Villegagnon em 1555, para lhe garantir a vida, permitindo-lhe colocar em execução um regime opressor e severo. No dia 1º de março de 1565, na várzea existente entre o Morro Cara de Cão, hoje São João, e o pico do Pão de Açúcar foi fundada solenemente a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Nessa ocasião, Estácio de Sá nomeou as primeiras autoridades, sendo indicado para o cargo de Alcaide Pequeno – encarregado das diligências noturnas o carcereiro Francisco Fernandes.

840 visualizações0 comentário